Uma típica cena suburbana desenhada por Jano.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Misturando Fé e Política

“Claro que dirão que é política, que é subversão,

que é comunismo.

É evangelho de Cristo!”
(D. Hélder Câmara)


A frase que mais me incomodava e contra a qual mais lutei na minha militância pastoral era pronunciada pelos próprios membros da Igreja: “Não se pode misturar a fé com a política!”. Diziam isso para demarcar claramente os limites entre o sagrado e o profano e reafirmar uma série de dicotomias que as polarizavam qualitativamente: à fé caberia alimentar o espírito, enquanto à política pertenceria o domínio do corpo com todas as suas impurezas.

Essa postura, que pode ser em primeira instância ingênua ou alienada, acaba mesmo sendo perversa. Ela desconsidera o fato de que historicamente a Igreja enquanto instituição sempre esteve ao lado dos poderosos e de suas mais diversas formas de governar: abençoou os tiranos, ungiu os ditadores e benzeu os déspotas. Organizou ainda manifestações públicas, guiou as famílias nas marchas e, em nossa história recente, atacou a democracia, apoiando abertamente o golpe militar de 1964.

Seria correto afirmar, então, que a Igreja não se envolve em política? O que de fato ocorre é que ela não é contra a política em si, mas contra um certo tipo de política. Como diria D. Pedro Casaldáliga, existe a política de uns e a política de outros; a política a favor e a política contra. Sendo assim, o alheamento que se propõe ao não querer misturar fé e política é, na verdade, falso, porque, no fundo, ele representa a adoção de uma postura fundamentalmente política: qual seja, o conservadorismo. Afinal, se não se quer mudar é porque o que há está bom.

A ação política militante e a mística evangelizadora estão nas bases do cristianismo. Afinal – nas palavras de Frei Betto – Jesus não morreu de velhice deitado em uma cama e nem caiu do camelo e quebrou o pescoço, mas sim foi um preso político, vítima de tortura e assassinato por defender seus ideais de fé e de sociedade. E nos dias de hoje, como para podemos falar em nome do “Pai nosso” sem lutar para garantir a todo ser humano o “pão nosso”? Solidariedade é, pois, nesse sentido, combater intensamente a todo esse sistema que produz a miséria, a fome e a exclusão social. Ter fé é alimentar-se do espírito transformador e lutar diariamente por justiça. E isso é, antes de tudo, uma postura política. Enfim, frase por frase, eu sempre preferi aquela do Leonardo Boff que diz assim: “Sou marxista, porque sou cristão”.

Márcio Hilário

29-04-2011


video

terça-feira, 26 de abril de 2011

O Anel de Tucum

O que se opõe ao descuido e ao descaso é o cuidado. Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais que um momento de atenção. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro.

(Leonardo Boff)



O uso do Anel de Tucum remete suas origens ao Brasil imperial. Enquanto os senhores de engenho e os demais representantes das elites se adornavam com jóias feitas de ouro e pedras preciosas, ostentando, assim, sua riqueza e seu poder, esse pequeno objeto do artesanato indígena ganhou novo significado e passou também a ser usado por escravos e despossuídos como aliança matrimonial, elo de amizade e, mais amplamente, como sinal da luta por libertação.


Como símbolo religioso contemporâneo, o anel identifica os cristãos que se alinham com a opção preferencial e solidária pelos pobres praticada pela Teologia da Libertação. Na esteira das transformações oriundas do Concílio Vaticano II (1962-65) – que orientou a busca por um papel mais participativo para a fé na sociedade, com atenção especial aos problemas sociais e econômicos – e das Conferências Episcopais de Medelín (1968) e Puebla (1979), diversos religiosos progressistas da América Latina abraçaram definitivamente a causa dos excluídos. No Brasil, desenvolveram-se nos anos 70/80 em todo o país as Comunidades Eclesiais de Base e as Pastorais Sociais (Operária, do Negro, do Índio, da Terra etc.).

A essência dessa proposta teológica – radicalmente oposta ao conservadorismo eclesiástico – está no deslocamento do centro para as periferias. Ou seja, nela os excluídos são vistos não como aqueles que recebem as migalhas do mundo dito civilizado, mas sim como os protagonistas do novo mundo. Não basta, pois, condenar moralmente a miséria, a injustiça e a opressão. É preciso combatê-las historicamente e romper com o sistema que as produz. Nessa linha de entendimento, a verdadeira igreja nasce de um povo que se organiza.

Essa precisa ser uma opção de todos nós, religiosos de todas as confissões ou ateus, unidos em comunhão numa aliança pela solidariedade. Tucum é o nome de um tipo de palmeira amazônica, que tem um caule cheio de espinhos e dá um fruto adocicado e saboroso. É dela que se faz esse anel. É ela que deve inspirar quem o usa. Por fora, ter os espinhos prontos para lutar em favor dos pobres, dos negros, dos índios, dos torturados, dos homossexuais, das mulheres vítimas de violência e de todos aqueles que sofrem algum tipo de injustiça. Todavia, por dentro, conservar sempre tenro e doce o sentimento de compaixão, ternura e amor ao próximo.


Márcio Hilário.

12-04-2011